A proposta do Nyahbinghi Festival

Quando se pensa em eventos de musica eletrônica no Paraná a Associação Granja Martini já vem na cabeça. Depois de abrir suas portas pra diversas festas e festivais, resolve idealizar também um festival assim nasce o festival Nyahbinghi Arte Cultura e Igualdade, acontecendo sua 1° edição no carnaval de 2018.

Vamos relembrar um pouquinho como foi essa edição?

 

LOCAL

Quem conhece a granja sabe o quanto acolhedor é. Um sítio rodeado por mata nativa, com um rio de águas refrescantes lindíssimo com uma pequena cachoeira, vários espaços para banhos de rio inclusive para crianças, grande espaço para acampar coberto com árvores, passando o rio pela lateral de praticamente todo o camping.

FESTIVAL

Chegando no festival estacionamento dentro do sítio e logo aparece a portaria. Uma porteira feita de bambu, que trazia escrito o nome do festival com cipó NYAHBINGHI. Seguindo reto pequeno trecho de caminhada uns 50 metros mais ou menos, a esquerda já avistamos ESPAÇO KIDS e espaço ALQUIMIA, aonde aconteceram as oficinas e a direita TENDA DA CURA.

Esses 3 espaços ficaram com a pequena distância do restante do festival buscando tranqüilidade para acontecerem, continuando a caminhada mais uns 200 metros, estamos dentro da segunda parte do festival, a esquerda Praça de alimentação, Bar, Feira mix e pista Main Floor e as esquerda banheiros e seguindo em direção ao rio ponte para acesso ao Chill Out.

 

ESTRUTURA

O festival construiu o Mainfloor, o Chill Out, o bar, a Feira mix, espaço para oficinas, espaço kids e Tenda da Cura, e parte da ponte de acesso ao chillout todo de bambu, que é considerado matéria prima do futuro, que além de ser um recurso renovável, substitui a madeira evitando a devastação das florestas.

Também para o festival foram construídos mais 8 duchas e 8 sanitários. No local já havia um pavilhão destinado a praça de alimentação estrutura de alvenaria.

 

CHILL OUT

A pista Maain floor foi aberta apenas no sábado a tarde, dando espaço para o Chill Out ser ponto principal na sexta feira a noite, fazendo assim com que a interação fosse grande, trazendo pro público variedades de sons como rap, reggae, rock e poesias.

Tiveram apresentações de alguns artistas regionais como Trem de Sião banda de reggae, Projeto Plano B com reggae e também rock e uma banda de Francisco Beltrão Chumbo Dirigível, que toca clássicos do rock.

Bandas como Be Livin e Natural Dread conquistaram os amantes do reggae. E os projetos Família Quebra Shape e Livre Arbítrio foram os destaques no Rap, trazendo letras fortes e de reflexão. Na linha do eletrônico, projetos como Dubaq Sounds com uma pegada mais Dub e Chill by Zeke que animaram o público.

MAIN FLOOR

Com uma proposta voltada ao trance psicodélico, o line do main floor busca transitar entre todas as vertentes noturnas, com artistas de grande representatividade nacional e internacional, criando uma atmosfera profunda, possibilitando assim, uma experiência psicodélica intensa ao público.

Entre os nomes que passaram pelo festival estão: Oblium(Suiça), Invid Mind(Argentina), Xenrox(Austria), Munsmawa(Bolivia), Zamurah(Argentina) e os brasileiros: Nargun, Fako, Atropp, Alcohbata, Lulio, Dogon, Yamavodoom, Igbogã, Onionbrain, entre outros…

PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO

A praça de alimentação era composta pelo restaurante da equipe do NYAHBINGHI , comandada por um chefe de cozinha da cidade de Francisco Beltrão, e o que ficou em destaque foi que parte da alimentação foi plantado pela crew antes do festival, como o feijão, saladas e alguns legumes.

A parte de lanches foi terceirizada trazendo 3 food trucks da cidade, mais o açai do pessoal do SPACE ENERGY de Curitiba, tendo opções vegetarianas tanto no almoço como nos lanches.

Pensando no menor impacto ambiental, o festival divulgou pro pessoal trazer de casa tanto os pratos quanto os copos para uso próprio, não fornecendo assim produtos descartáveis, no restaurante havia também pratos e talheres de plástico reutilizáveis, de dois valores acessíveis para o público. Foram feitas pias do lado de fora do pavilhão para o pessoal poder higienizar seus pertences.

 

FEIRA MIX

O festival ofereceu ingresso na promoção para artesões, o que trouxe variedade de trabalhos lindos como macramê, filigrama, mandalas de vidros e o que encantou os olhos de todos foram as belas camisas super psicodélicas da linda Stella Nataly, moradora de Francisco Beltrão.

 

DECORAÇÃO

A decoração do palco principal foi de tirar o fôlego, um dos projetos mais lindos desenvolvido pela Nhanderu Artes. Com base no nome do festival NYAHBINGHI.

A escolha do palco foi em fazer um rastafari tocando seu tambor. Seu rosto foi uma arte reutilizada do palco da Elementorum Naturae em 2016, que era um rosto de um índio vermelho, essa arte foi guardada pela crew, que fazia parte da crew Elementorum na época, e assim quando decidida a começar o rosto do rastafari lembraram dessa possibiliadade, e ficou perfeita.

Seus “dreads “ eram de cipós todos emaranhados, suas vestes azul e branco era reutilização de tecido de uma antiga fábrica de boné que tinha na granja, na sua mão direita um Peyote planta de poder, o pescoço com as argolas relembrando as mulheres Kayan ou Padaun (nome da tribo) na sua mão esquerda um cachimbo, simbolizando a consagração da erva sagrada, cachimbo esse que foi acesso na abertura da pista, guiado pelo Munsmawa.

E por fim o tambor bem a frente, aonde os djs se apresentavam, com uma arvore da vida feita em barro bem ao meio. Palco com muita presença e respeito, levando o nome de Caboclo das Matas.

Ao lado do palco principal, foi construído com bioconstrução um sapo simbolizando o kamboo, medicina a qual se extrai o veneno do sapo e se aplica em pontos queimados do braço. Pelo Giovane Frigo, Romeu Barbosa E Bryan Genesse.

A tenda principal foi desenvolvida por Bob Frigo um dos idealizadores do festival Nyahbinghi, no meio da tenda os bambu foram colocados formando a estrela de David trazendo proteção, representando a união do Céu com a Terra. A tenda foi pintada especialmente pro festival , trazendo desenhos únicos e muito psicodélicos pelo artista Thiago Cardoso.

Já o palco do Chill Out criação de Bob Frigo também, foi criado pensando na heart beats ou batida do coração, significa do nome Nyahbinghi. Foi feito um emaranhado de cipós em formato de coração, e atrás do palco vários cipós trançados em circular (formato dos filtros do sonhos) um encaixado no outro, formando um cenário lindo e simples. Encantou tanto que foi escolhido como local, para realização de um casamento durante o festival.

A noite foi hora dos vjs aparecerem trazendo muita psicodélica e colocando mais vida ainda no palco, com suas projeções maravilhosas. A vj Ana Lopes e o Vj Bang se revezaram nas quatro noites trazendo variações incríveis de projeções que agradaram muito o público.

INTERVENÇÃO ARTÍSTICAS

A abertura da pista mainfloor foi guiado por Munsmawa, na sequência tivemos apresentação com a deusa Ana Nase trazendo uma dança linda demais!

A apresentação em si se referiu ao trabalho energético de limpeza do ambiente. Abrindo os portais para uma nova visão, com conscientização do processo que cada um iria desenvolver no próprio festival. Então a própria letra da música traz a conscientização que devemos abrir o Coração para a vivência, tudo tem um porquê. E como trabalho com a Umbanda ela se faz presente, auxiliando a limpeza e o despertar.

Durante o break de domingo os meninos dos Hustle Rockerz um grupo de Break Dance de Cascavel se apresentaram encantando a todos. Durante uma apresentação do Chill Out Ana Nase e Rafa Fada fizeram outra intervenção em dupla.

 

ESPAÇO KIDS

Dois espaços diferentes foram responsáveis por cuidar das nossas crianças no festival, o GERAÇÃO AMOR e ESPAÇO CRISTAL.

O espaço Kids GERAÇÃO AMOR é um projeto que foi idealizado pela mãe, Psicopedagoga e Instrutora de Yoga Infantil, Indianara Bellan Arruda, que é também frequentadora de festivais e viu necessidade de passar cultura, arte, aprendizado e diversão para as crianças que acompanham seus pais, o espaço contou com várias oficinas que estimulam os pequenos a se amarem e respeitarem, assim como o próximo e a natureza, aprenderam sobre as diferenças e a importância de saber conviver com elas, tudo foi passado a eles em um contexto totalmente lúdico e divertido, respeitando a todo o momento seu tempo e suas vontades.

De la também saiu muita arte fabricada pelas mãozinhas dos pequenos artistas, sendo elas, filtro dos sonhos, brinquedos com recicláveis, tintas naturais, desenhos livres e outros.

O Espaço Kids com o Projeto de Espaço Cristal realizou-se com diversas atividades voltadas para o autoconhecimento e também favorecendo a alfabetização ecológico. Pois esta é tão importante quanto a alfabetização letrada. Mãe Gaia pede para que os novos seres já se conectem com o mais natural possível que possa existir, mas com a ação voltada a agroecologia, fazer sentir a força da Terra. As crianças tiveram a experiência de meditar com a presença de instrumentos musicais xamânicos com o apoio dos irmãos da Agroecologia de Matinhos-PR.

Nenhuma casca ou semente que foi consumida dentro do espaço foi descartada, eles plantaram as sementes e afinaram a terra. Também tiveram oportunidade de realizar atividades Ecopedagógicas, como por exemplo estourar pipoca na fogueira. Praticar Yoga, saudando o Astro Rei Sol todos os dias, além de variadas brincadeiras, produções de brinquedos, caça ao tesouro dos seus próprios Kins Maias, conheceram a história do caminhante das treze luas, etc.

Espaço Kids é essencial em festivais, que possamos ver a criança como um cidadão em construção que já tem seu direito em espaços públicos, mas que este espaço se volte ao lúdico, a infância Saudável, reavivando a verdadeira identidade desses cristais na terra. “Como estrelas no Céu toda criança é espacial”. Sat Nam! Educadora e Instrutora de Yoga Kelly Reggina.

OFICINAS

1. VIVENCIA NA AGROFLORESTA
O festival ofereceu também oficina na agrofloresta com o pessoal do coletivo SOMOS UM, projeto realizado por integrantes de 5 sitios do sudoeste do Paraná e também um debate com Valdemar Arl, que tem doutorado e mestrado em agroecologia, e participa de movimentos sociais a anos. Foram debatido sobre sustentabilidade, a utilização indevida dos recursos do planeta, degradação, poluição da terra das nascentes, em foco da AGROECOLOGIA, algumas opções de se manter de maneira mais sustentável nesse planeta. Também foi debatido sobre uma alimentação mais saudável, menos alimento processado e fortalecimento da agricultura familiar, que é de onde vem o alimento mais fresco mais saudável e melhor qualidade e não das indústrias.

2. VISITA NA CASA DE BIOCONSTRUÇÃO DA CREW DO NYAHBINGHI COMO EXEMPLO DE MORADA SUSTENTÁVEL
Construída com materiais do local, bambu e materiais reutilizáveis e barro. Ocorreu também uma visita numa implantação de uma agrofloresta, onde estão sendo implementadas o plantio de bananeiras e outras arvores frutíferas e raízes mandioca, também utilizando mudas das redondezas, hortaliças e alguns legumes.

3. OFICINA DE TOQUE NYAHBINGHI
Com Ras Thiago da banda Trem de Sião.

4. O ESPAÇO ALQUIMIA
Foi onde foram realizadas cinco dias de oficinas e produção de artes, conduzido pelo facilitador Eiguel Ribeiro, projeto que desde 2015 circula pelos festivais do Sul. Ele mesmo oferece Roda de Conversa sobre os Estudos da Lei do Tempo/Sincronário da Paz, Pinturas em telas, e, Debate sobre Ocultismo.

5. SAGRADO FEMININO
Com as facilitadoras Caroline Sabadini e Marini Guimarães, Marini que tem o Espaço Maitri na cidade de Pato Branco, também realizou uma oficina de Yoga.

6. OFICINA DE MACRAME
Com Gustavo Oliveira, que também se apresentou no chillout seu projeto de DJ SET.

7. LIVE PAINT
Apresentação de pintura ao vivo de Thiago Cardoso, mesmo idealizador das artes dos panos da tenda principal.

8. PRECE AS SETE DIREÇÕES GALÁCTICAS
Todas as manhãs houve Prece às Sete Direções Galácticas com Luna Morgan.

 

BAR

O bar seguiu uma política de preços acessíveis, com um sistema de compra e venda com chaveiro, que traz rapidez nas vendas, com um aplicativo chamado EasyTag.

O Festival optou pela venda de chopp e cervejas artesanais, primeiramente pela qualidade da bebida, pensando em apoiar o pequeno produtor e também pela diminuição de lixo, por isso também foram feitos copos do festival sendo comercializado pelo valor de R$5, assim evitando o descartável. O copo trazia a LINE do evento impresso nele… e que LINE diga-se de passagem!

 

TENDA DA CURA

Nellynton Borin que trabalha com Reiki (nivel 3) / Meditação / Mesmerismo e Fascinação / Cristais / Musicoterapia / Advaita Vedanta, foi o responsável pela aplicação de reiki durante o festival, seu projeto se chama Ashankit Terapias.

Buluc Manix trabalhou com o pessoal com mudras e mantras para alinhamento dos chackras

Luna Morgan aplicou chás com ervas medicinais para o publico, e teve um bate papo sobre algumas plantas medicinais e suas propriedades.

Acupuntura também com um terapeuta.

SISTEMA DE SOM

O som escolhido para o festival foi as Bud Sounds natural de Curitiba, as buds possui o que há de melhor em Sound System para e-music. Empresa criada a partir de uma união de 3 amigos que tinham uma mesma paixão, a e-music, a empresa possui foco em montagem de som para festa de música eletrônica, onde possui uma equipe especializada e com um grande conhecimento da cena eletrônica.

REDUÇÃO DE DANOS

O Projetos Equilíbrio  e Redução de Danos, esteve presente no festival com 8 participantes auxiliando o publico com informações e testes.

 

VIBRANDO A 2° EDIÇÃO

Próxima edição no CARNAVAL, dos dias 21 a 25 de fevereiro de 2020, na Associação Granja Martini.

Projetos confirmados na primeira fase do line:

SATOR AREPO – CHROMATEC – CHROMAREPO (Alemanha) – INDACORUNA – RADICE – RADIRUNA (Itália) – ZAMURAH (Argentina) PRODOCTOR – YANGPLANT – THOTH VS. MAAT – IMPERTINENT – CHAOSTROPHOB – MERASSAKAN – GIONGO LIVE – DJ CLETO

Excursões fechadas de:
SÃO PAULO SP – PRESIDENTE PRUDENTE SP – OURINHOS SP – CURITIBA PR – FLORIANOPOLIS SC – CHAPECO SC – PORTO ALEGRE RS – CASCAVEL PR – LONDRINA PR – TOLEDO PR – CIANORTE PR – PALMAS/PATOBRANDO PR

 

ESTADOS CONVIDADOS

Esse ano o festival convida os estados de Minas Gerais, Bahia e Pará e estrangeiros com entrada liberada, sendo necessário fazer cadastro AQUI.

 

Evento Oficial: Festival Nyahinghi – Carnaval 2020Instagram |

Deixe um comentário

Please Login to comment
  Subscribe  
Notify of