Crianças e festivais: Soma da Existência – Espaço Kids

 ></p><p>Os festivais brasileiros tomam um formato de festas <strong>multiculturais </strong>e os pais especialmente devem prestar atenção já ao nome do evento e  analisar sua proposta, pois tem energias de todo tipo e muitas vezes não são bons locais aos pequenos.</p><p>Nesse sentido, um festival multicultural não se enquadra em nenhum outro. Cito o exemplo do <strong><em>Rock Rio</em></strong>, que apesar de ser um festival enorme, com cantores famosos e um público gigantesco, não oferece muito além de música, enquanto que no <strong>psytrance</strong> podemos encontrar uma grande diversidade de terapias e cura, rodas de conversa, palestras, oficinas, performances e claro, o <strong>espaço kids</strong>, do qual quero falar hoje.</p><p style= >Fotografia: <a class=GemeosVB Fotografia

O psytrance já não é um género tão novo; muitos dos seus amantes já são pais (alguns até avós!) e o desejo de compartilhar a vivencia com os filhos, abre caminho para a criação de espaços onde eles sejam devidamente atendidos, com um pessoal dedicado ao seu bem-estar, com brincadeiras acordes e onde  os valores desta (contra) cultura na qual acreditamos possam ser passados. 

 >Samsara Festival. Fotografia: Gordon Eszter<img data-lazyloaded=Carolina Moraes Fotografia 
 >Universo Paralello Festival. Fotografia: <a class=Coletiva.a.mente

Diferente de qualquer outros encontros de música eletrônica e além dela, os festivais estão cada dia mais se tornando espaços familiares, onde levar os filhos e ficar acampado poderia ser cômodo, desde que o festival tenha estrutura e respeito.

 ><img data-lazyloaded=GemeosVB Fotografia

Pessoalmente, quando não vejo crianças em um festival, sinto que pelo menos 30% do brilho total que o evento poderia ter não é alcançado (isso vale para os festivais que não se importam com  cuidado das crianças e o suporte aos pais, pois  já vivenciei eventos que  planejam esse espaço e por algum motivo as famílias não compareceram com seus pequenos).

 ><img data-lazyloaded=GemeosVB Fotografia

Se não fosse pela legislação, poderia perfeitamente ocorrer sempre, pois todos presentes teriam cuidado com isso e o clima é maravilhosamente gostoso. A atenção dada as crianças é o mais belo do nosso universo!.

 ><img data-lazyloaded=GemeosVB Fotografia

 O espaço kids na edição de 2017 do Terra azul ferveu com os pequenos, é até cuidados com bebês e atenção específica estavam dispostos ao público.

 >Oficina de pintura livre Terra 2017. Fotografia: <a class=Mushpics Fotografia

O Coletivo Prajah – Espaço Tempo é Arte é a equipe que proporcionou a oportunidade de expor algo que só havia planejado. Esse pessoal possui uma didática e uma estrutura ao qual nunca me deparei. Foi no Kundalini de 2016 que pude contribuir com a sabedoria dos pequenos.

Pela primeira vez o projeto Soma da Existência – Sol&Terra estava sendo executado. Depois eu e minha esposa repetimos  no Terra Azul 2017, cito ele pois foi onde teve mais criançada. Até então o espaço kids era uma área ao qual nunca havia pisado.

O projeto foi um insight que tive. Momento onde, a questão primordial foi como poder colaborar com tal local,  já vinha trabalhando no Centro de Referência e Assistência Social (CRAS) com o projeto Horta Semeando Conhecimento, onde  grande parte da ideia saiu, e com vistas ao fim do projeto estava com toda essas ideias fervendo, a vontade de continuar, a vista carente de atividades nos espaços e então nasceu tudo isso. 

 >CRAS- Tijucas SC –  2014.</p><p>Trabalhei toda metodologia necessária para não apenas “cuspir informação” como nossa educação é realizada normalmente, e sim propiciar um momento em que as crianças possam realmente absorver o conteúdo. Tendo noção de como a vida do jeito que a conhecemos é montada e proporcionada.</p><p> Nasce este <em>momentum</em> onde os participantes se tornam buscadores. Quem acha um tesouro jamais esquece. Os resultados são surpreendentes:</p><p style= >Participante Virgilio transpassando o que aprendeu.</p><p>O Projeto consiste em trazer ao conhecimento deles toda a <strong>dinâmica do reino vegetal</strong>, como as plantas se multiplicam e quais suas estruturas para tal realização. Entendido como elas se propagam avançamos ao seu desenvolvimento e funcionamento de toda maquinaria biológica de forma que é passada na Botânica pesada das acadêmicas.</p><p style= >Soma da Existência- Terra Azul Festival 2017.</p><p>É onde tudo fica interessante, pois temos a noção da energia solar e o que ela despende nos vegetais, como e onde e porque isso age, buscamos, cortamos e VEMOS através do microscópio aquilo que quanto mais avançamos mais ficamos sabendo. O Projeto necessita sempre de um <strong>Data Show</strong> mas todo o resto carrega consigo, usamos o <strong>quadro</strong>, <strong>lupas</strong> e conversamos muito, e assim conhecimentos “ avançados” são absorvidos pelos pequenos.</p><p>Para verificação da absorção é ministrado <strong>trabalho com massinha</strong> de modelar atóxica, onde damos mais uma reforçada em tudo. Podem optar por desenhar também.</p><p style= >Arthtur. Soma da Existência- Kundalini Festival 2016. </p><p>Fico extremamente grato pelo resultado de algo que foi minuciosamente calculado, e o melhor é o <em>feed back</em> destas <strong>crianças cristais</strong>.</p><p style= >Oficina de pintura livre Terra Azul Festival 2017.</p><p>Ao participar desta forma o festival toma outro sentido para mim; é melhor que qualquer outro não pelos benefícios de se trabalhar, mas sim por estar somando e fazer parte de algo maior, onde ao final o que vemos são <strong>famílias reunidas</strong> com crianças, <strong>espaços de cura</strong> tratando dores no corpo, discutindo acontecimentos e ações que trazem um crescimento interno, o que vemos ao final, é o Verdadeiro Trance acontecendo !</p><p style= >Origens Festival. Fotografia: <a class=Religare Ars

E mesmo quando não estou participando, estou ali por perto sorrindo e  vendo outros belos trabalhos. Isso tudo, essa egrégora, é minha casa, é meu lazer, é meu crescimento, isso é Trance.  

 ><img data-lazyloaded=Murilo Ganesh 

*

Leia outros posts relacionados:
Mamães do Trance